SATISFAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES ANGOLANOS EM FUNÇÃO DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E PROFISSIONAIS: ESTUDO EXPLORATÓRIO NA CIDADE DE HUAMBO

Gilsa Ruth Munana, Graça Bidarra, Maria A. Nascimento

Resumen


Após a revisão bibliográfica no domínio da satisfação profissional na docência, realizámos um estudo com professores angolanos, procurando analisar este fenómeno em função de variáveis sociodemográficas e profissionais. Utilizámos a metodologia de inquérito, recorrendo às variáveis decaracterização sociodemográfica e profissionais, à Escala de Satisfação Geral no Trabalho (ESGT) de Barton e colaboradora (1992), adaptada por Silva e colaboradores (1994), e ao Questionário de Satisfação Profissional do Professor (Teacher Job Satisfaction Questionnaire -TJSQ) de Lester (1982), traduzido e adaptado à população portuguesa por Seco (2000). Quanto aos resultados obtidos podemos concluir que, de uma forma geral, os participantes no presente estudo manifestam satisfação com o trabalho e simultaneamente níveis baixos de desejo de abandono.

Palavras-chave: professores angolanos; satisfação profissional; desejo de abandono.

job satisfaction of Angolan teachers in terms of sociodemographic and professional variables: a survey in HuaMbo City

Abstract

After reviewing literature in the field of job satisfaction in teaching, we conducted a study with Angolan teachers, analyzing this phenomenon in terms of sociodemographic and professional variables.We used the survey methodology, using a sociodemographic questionnaire, the General Satisfaction Scale at Work adapted by Silva, Azevedo e Dias (1994), and the Teacher Job Satisfaction Questionnaire (TJSQ) by Lester (1982), translated and adapted to the Portuguese population by Seco (2000).As for the results we can conclude that, in general, participants in this study expressed satisfaction with their work and simultaneously low levels of desire to abandon it.

Keywords: Angolan teachers; job satisfaction; desire to abandon.


Texto completo:

PDF

Referencias


Bardin, L. (2000). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Braga da Cruz, M. (1988). A situação do professor em Portugal. Análise Social, 24, 103-104.

Cardoso, R. M. (2002). O stress nos professores portugueses. Estudo IPSSO 2000. Porto: Porto Editora.

Costa, P. O. (2005). A Formação Contínua e o Bem-Estar do Professor: Contributo da formação contínua para o bem-estar (pessoal e profissional) dos professores. Dissertação de Mestrado não publicada, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.

Cruz, M. B., Dias, A., Formozinho, J., Pereira, J., & Tavares, J. (1988). Relatório da Comissão criada pelo Despacho 114/ME/88 do Ministério da Educação. A Situação do professor em Portugal. Análise Social (3ª Série), XXIV, 1197-1293. Lisboa: Universidade de Lisboa – Instituto de Ciências Sociais.

Dias, I. M. (2003). A (In) Satisfação docente no ciclo de vida profissional: Estudo empírico. Dissertação de Mestrado não publicada, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.

Esteve, J. M. (1992). O Mal-Estar Docente. Lisboa: Escher/Fim de Século Edições Lda.

Jesus, S. N. (2002). Perspectiva para o bem-estar docente. Porto: ASA Editores II.

Lester, P. E. (1982). Teacher Job satisfaction questionnaire (TJSQ). Manuscrito não-publicado. Long. Island University.

Martins, F. T. (2008). Alguns factores que podem provocar o stress no trabalho dos docentes do departamento de Ciências da Educação do Huambo. Instituto Superior de Ciências da Educação do Huambo. Universidade Agostinho Neto.

Ministério da Educação (2001). Lei de Bases do Sistema Educativo. República de Angola.

Ministério da Educação (2008a). Plano Mestre de Formação de Professores em Angola. BIEF: Unicef.

Ministério da Educação (2008b). Estatuto da Carreira Docente. República de Angola.

Munana, G. R. (2010). Satisfação profissional docente dos professores angolanos. Tese de Mestrado não publicada, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Coimbra.

Nóvoa, A. (1995). Formação de professores e profissão docente. In A. Nóvoa (Coord.), Os professores e a sua formação (pp.11-30). Porto: Porto Editora.

Pestana & Gageiro (2005). Análise de Dados para Ciências Sociais-A Complementaridade. Lisboa: Edições

Seco, G. M. (2000). A satisfação na actividade docente. Tese de Doutoramento não publicada, faculdade de psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Coimbra.

Seco, G. M. (2001). A insatisfação dos professores: algumas implicações práticas para os modelos de desenvolvimento profissional docente. In A. Simões (Org.), Modelos e práticas em educação de adultos – Actas das II Jornadas (pp. 117-113). Coimbra: Ediliber Editora.

Seco, G. M. (2002). A satisfação dos professores. Teorias modelos e evidências. Porto: Edições Asa.

Silva, C. F., Azevedo, M. H. & Dias, M. R. (1994). Estudo Padronizado do Trabalho por Turnos: Versão Experimental. Bateria de escalas. Coimbra: Serviço de Psicologia Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.

Silva, C. F; Azevedo, M.H. & Dias, M. R. (1994). Estudo Padronizado do Trabalho por Turnos: Versão experimental. Baterias de Escalas. Coimbra: serviço de Psicologia Médica da faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.

Teixeira, M. (2001). O professor face a profissão: gosto ou desconto? In M. Teixeira (org.), Ser professor no limiar do século XXI (pp. 183-265). Porto: Edições ISET.

Vila, J. V. (1988). La crise de lá función docente. Valencia: Promolibro.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2018 Gilsa Ruth Munana, Graça Bidarra, Maria A. Nascimento

Licencia Creative Commons
Este trabajo está licenciado bajo una Licencia Internacional Creative Commons 4.0 Atribución .