TIPOS DE COMPORTAMENTOS AGRESSIVOS DOS ALUNOS: O CASO DA ESCOLA 5020 EM VIANA-LUANDA

Manuel Francisco Neto, Maria Mbuanda Gunza Francisco

Resumen


O presente trabalho tem como objectivo identificar os tipos de comportamentos agressivos mais frequentes na escola através do inventário. Foi feito um estudo quantitativo com a participação de 118 alunos. Os resultados do estudo indicam que os comportamentos agressivos mais frequentes na escola são: a mentira com 56,8%, gabar-se, ameaçar ou intimidar frequentemente os outros com 46,6%; lutas físicas com 37%; manifestação de crueldades físicas com outras pessoas ou animais com 37%; fazer gazetas às aulas com 22%; destruir propositadamente coisas alheias com 21,2%; permanecer frequentemente fora de casa durante a noite, contrariando proibições paternas com 14,4%; violação de domicílio ou automóvel de outrem com 8,5%; forçar alguém a manter uma relação sexual com 8% e fugir da casa dos pais durante a noite com 1,7%. Dada a importância social da escola concluiu-se que há necessidade de intervenção psicossocial com os alunos, professores e família para reduzir os actos agressivos.

Palavras-chave: agressividade; aluno; insucesso escolar.


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Aronson, E. (2002). O animal Social. Lisboa: Instituto Piaget.

Bandura, A., & Colaboradores. (2008). Teoria Social Cognitiva: Conceitos Básicos. Porto Alegre: Artmed.

Barrueta, N. V. (2011). Desviación de la conducta social, In psicología social 2. Habana: Ciências Médicas.

Bock, A. M., & Trassi Teixeira, M. L. (2009). Psicologias: Uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva.

De Sousa, P. M. (2005). Agressividade em contexto escolar. O portal dos psicólogos. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0261.pdf.

Ferraz, L. M., & Félix, N. M. (2009). Factores da agressividade nos educandos. (Caso da Escola Primária 2030-Município da Maianga). Trabalho apresentadopara obtenção do grau de licenciatura de ciências da educação. Luanda: ISCED de Luanda.

Freitas, C. (2002). Violência e modernidade. Que sentido pode ter a vida? São Paulo: Paulinas.

Freud, S. (2011). O mal-estar na civilização. São Paulo: Companhias das Letras.

Gilot, L. B. (1999). Homem moderno e neurose. Auto-análise e auto psicoterapia para solucionar o sofrimento interior. Itália: Paulus.

Hobbes, T. (2014). Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. São Paulo: Martin Cla.

Nacandumbo, M. M. (2006). Estudo sobre os factores determinantes da agressividade no Cazengo em N´dalatando: Caso da escola Missionári Santa Maria Goretti. Trabalho de fim de curso apresentado para a obtenção do grau de licenciatura. Luanda: ISCED.

Oliveira, E. C. (2013). Estudo do transtorno comportamental de agressividade (bulliyng) em crianças de 8-10 anos da escola 1238. Viana: Universidade Jean Piaget - Angola.

Rousseau, J. J. (1990). Grandes obras Emílio. Volume II. Mira-Sintra: Europa-América.

Storr, A. (2012). A agressividade humana. Como ser um vencedor sem ser destrutivo. A vida em meio á pressão e a intolerância, os instintos e o aunto controlo. São Paulo: Benvirá.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2020 Manuel Francisco Neto

Licencia Creative Commons
Este trabajo está licenciado bajo una Licencia Internacional Creative Commons 4.0 Atribución .

INDEXACIÓN

La Revista Electrónica Formación y Calidad Educativa (REFCalE) se encuentra indizada o referenciada en las siguientes bases de datos internacionales:


 


Publicación bajo licencia

Open Archives Initiative

Índice Compuesto de Difusión Secundaria(ICDS)=3.6/10.0

Procedencia geográfica de nuestros lectores

Map

 

CREADOR DE LA REVISTA FORMACIÓN Y CALIDAD EDUCATIVA: Rafael Tejeda Díaz, PhD.